Seja bem vindo !
CULTS E RARIDADES MUSICAIS
UM SITE DIRECIONADO A QUEM PROCURA DICAS E INFORMAÇÕES SOBRE MÚSICAS E LANÇAMENTOS EM CD DE GRUPOS E/OU INTÉRPRETES CONSIDERADOS "CULTS" OU ELITISTAS E DE ALTÍSSIMA QUALIDADE, EM TODAS AS ÁREAS DA MÚSICA POPULAR: ROCK ALTERNATIVO(INDIE), INDIE LO-FI, JAZZ, BOSSA NOVA, MÚSICA ELETRÔNICA, R&B, WORLD MUSIC, ETC...
Tradutor do Google
CURTA nossa pĂĄgina no Facebook

TOP 10

     " Clique abaixo na mĂșsica
      escolhida para escutĂĄ-la "

DISCOS DO MÊS

SHOWS

ALTA FIDELIDADE

TELEGRÁFICAS URGENTES

HALL OF FAME

ARTES E CINEMA

BIOGRAFIAS

FILOSOFIA, POLÍTICA, SAÚDE & OUTRAS CIÊNCIAS

POESIAS PESSOAIS

OUTRAS RESENHAS

NEW AGE

BIOGRAFIAS
14/12/2015

Biografia do Pai da PsicanĂĄlise

SIGMUND FREUD


SIGMUND FREUD

 

 

 

 

 

 

Sigmund Schlomo Freud nasceu em 06 de maio de 1856, na cidade de Freiberg in Mahren, pertencente ao então Império Austro-Húngaro, hoje Pribor, na República Tcheca. Seu pai, Jacob Freud era um mercador de lã judeu proveniente da Galícia e tinha 42 anos à época, sendo das décadas mais velho do que a mãe, Amalie Nathanson, sua terceira esposa. Sendo de família judaica de modestos recursos, numa época bem anterior ao nazismo, em que o antissemitismo já vinha em ascensão crescente, devido ao ótimo desempenho escolar, desde cedo conseguiu ter vários privilégios, que o distinguiam dos restantes sete irmãos; aos 12 anos, o jovem Sigmund falava seis línguas diferentes e era capaz de ler Shakespeare no idioma original. Anos antes, quando o jovem Freud tinha apenas 04 anos, a família tinha se mudado para Viena, não só pela situação financeira adversa, mas também pelas perseguições antissemitas que aconteciam por toda a Europa no século XIX, nos chamados “pogroms”, como eram chamados os violentos ataques aos judeus e suas famílias, o que comprova que não foram os alemães nazistas que inauguraram o antissemitismo.E em Viena ele permaneceu até 1938, quando, após o Anschluss (em razão de sua etnia judaica) se refugia na Inglaterra, onde já se encontrava parte de sua família.

 

Em 1873, ingressou na faculdade de medicina da Universidade de Viena, tendo aceitado a profissão de médico com uma certa relutância, mais como uma forma de ganhar a vida. Aos 25 anos. Apaixonou-se por Martha Bernays com quem teria seis filhos no total. O casamento e a necessidade de sustentar a família, fizeram com que ele se especializasse no tratamento de doenças nervosas, área em que a concorrência era menor. Não se tratava, contudo, de um universo acolhedor, muito pelo contrário: até então, pacientes apresentando sintomas como neurose, histeria e psicose eram tratados com métodos hoje inaceitáveis. Eletrochoques, acorrentamentos e banhos de água fria eram práticas corriqueiras.

 

Em abril de 1886, abriu seu primeiro consultório; sua intenção era usar uma nova abordagem para lidar com problemas mentais. Sua primeira ferramenta foi a hipnose, aprendida no ano anterior, em Paris, durante um intercâmbio com o psiquiatra, Jean Martin Charcot. Foi o francês quem lhe abriu os olhos para uma possível origem na psique de certas doenças sem explicação fisiológica, algo como uma “segunda mente”, a qual nas formulações posteriores de Freud viria a ser chamada de inconsciente. No entanto, aos poucos Freud se tornou insatisfeito com as limitações da hipnose, pois desejava seus pacientes conscientes daquilo que eles próprios diziam.

 

Criou então a sua própria metodologia, que se deve em grande parte à colaboração com o médico Josef Breuer, que tratou sintomas de depressão e hipocondria em uma de suas pacientes, Bertha Pappenheim (nomeada nas anotações como Anna O.), que demonstrava vários sintomas clássicos de histeria. O método de tratamento consistia em fazer o (a) paciente recordar de experiências traumatizantes na infância, na chamada "cura pela fala" ou "cura catártica", na qual o ou a paciente discute sobre as suas associações com cada sintoma e, com isso, os faz desaparecer. O caso serviu de inspiração para a técnica denominada da “livre associação”, em que os analisados eram encorajados a falar livremente e sem pré-julgamentos, sobre tudo o que se passava em suas cabeças.

 

 Esta técnica tornou-se o centro das técnicas de Freud, que também acreditava que as memórias ocultas ou "reprimidas" nas quais se baseavam os sintomas de histeria eram sempre de natureza sexual.

 

Junto com a “livre associação” completaram  o alicerce do pensamento freudiano a atenção especial dada aos sonhos (interpretados como as manifestações mais autênticas possíveis do inconsciente, e a visão de todos os dilemas humanos como frutos de desejos sexuais reprimidos. Suas considerações eram fruto de extensos e detalhados artigos e livros, sempre descrevendo os casos em que participara. Desnecessário dizer que, a princípio, foram conceitos altamente polêmicos, principalmente os que diziam respeito a um tema tão delicado quanto o sexo. Freud criou o termo "psicanálise" para designar um método para investigar os processos inconscientes e de outro modo inacessíveis do psiquismo.

 

Nada disso o impediu de adquirir renome internacional e, em 1890, abriu um novo consultório em um elegante bairro de Viena. Depois que o pai de Freud falece, em outubro de 1896, Freud dedica-se a anotar e analisar seus próprios sonhos, remetendo-os à sua própria infância e, no processo, determinando as raízes de suas próprias neuroses. Tais anotações tornam-se a fonte para a obra “A Interpretação dos Sonhos”, terminada em 1900 e sua grande obra-prima..Durante o curso desta autoanálise, Freud chega à conclusão de que seus próprios problemas eram devidos a uma atração por sua mãe e a uma hostilidade ao seu pai. É o famoso "Complexo de Édipo", que se torna o coração da teoria de Freud sobre a origem da neurose  em todos os seus pacientes.

 

A eclosão da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) que, com a humilhação da Alemanha pelo Tratado de Versalhes, pavimentou o caminho para a ascensão de Hitler e do nazi-fascismo, que, na sua esteira de horrores , levou à anexação da Áustria e à perseguição aos judeus; em março de 1938, o consultório de Freud (onde também residia a família) foi assaltado, a queima de livros de Freud em praça pública e todos esses eventos fizeram com que Freud, Martha e Anna, sua filha mais jovem tenham ido morar em Londres. Os dias finais do Pai da Psicanálise em Londres foram melancólicos. Desde 1923, Freud perdera parte da mandíbula por conta de um tumor. O câncer obrigou-o a usar uma prótese e teve ligação direta com o vício em charutos, do qual nunca abdicou. Por fim, morre de câncer no palato, em 23 de setembro de 1939, após ter sido submetido a 33 cururgias. Suspeita-se que Anna tenha solicitado ao médico uma dose letal de morfina, atendendo ao pedido do pai, que desejava partir sem dor.

 

Sua sombra imortal permanece até hoje,  colocando-o  no  panteão  dos maiores gênios da Humanidade.







43 post(s) encontrado(s)

[1] [2] [3] [PrĂłxima]


REDE SOCIAL


CURTA nossa pĂĄgina no Facebook    

NAVEGAÇÃO

CONTATO

 

PAULO MONTEIRO

(11) 98664-8381

(48) 9629-4000

cultseraridades@gmail.com