Seja bem vindo !
CULTS E RARIDADES MUSICAIS
UM SITE DIRECIONADO A QUEM PROCURA DICAS E INFORMAÇÕES SOBRE MÚSICAS E LANÇAMENTOS EM CD DE GRUPOS E/OU INTÉRPRETES CONSIDERADOS "CULTS" OU ELITISTAS E DE ALTÍSSIMA QUALIDADE, EM TODAS AS ÁREAS DA MÚSICA POPULAR: ROCK ALTERNATIVO(INDIE), INDIE LO-FI, JAZZ, BOSSA NOVA, MÚSICA ELETRÔNICA, R&B, WORLD MUSIC, ETC...
Tradutor do Google
CURTA nossa pĂĄgina no Facebook

TOP 10

     " Clique abaixo na mĂșsica
      escolhida para escutĂĄ-la "

DISCOS DO MÊS

SHOWS

ALTA FIDELIDADE

TELEGRÁFICAS URGENTES

HALL OF FAME

ARTES E CINEMA

BIOGRAFIAS

FILOSOFIA, POLÍTICA, SAÚDE & OUTRAS CIÊNCIAS

POESIAS PESSOAIS

OUTRAS RESENHAS

NEW AGE

POESIAS PESSOAIS
02/08/2015

Poesia de MĂĄrio de SĂĄ-Carneiro

PIED-DE-NEZ


PIED-DE-NEZ

Mário de Sá-Carneiro (1890 — 1916) foi um poeta, contista e ficcionista português, um dos grandes expoentes do Modernismo em Portugal e um dos mais reputados membros da Geração d’Orpheu.

 

Iniciou-se na poesia com doze anos, sendo que aos quinze já traduzia Victor Hugo, e com dezesseis, Goethe e Schiller. Em 1912, conheceu  Fernando Pessoa, de quem se tornou o melhor amigo, e radica-se em Paris, para estudos na Sorbonne, que trocou pela vida boêmia e psicologicamente instável. É entre 1912 e 1916, ano de sua morte por suicídio, que ele registra toda a sua fugaz, porém profícua, carreira literária. Entre 1913 e 1914, por força do início da   I Grande Guerra Mundial, retorna várias vezes a Lisboa e, juntamente com Pessoa e Almada Negreiros, cria o primeiro grupo modernista português, responsável pela curtíssima edição – apenas dois números – da revista literária Orpheu, que deu nome ao grupo, e que hoje é reconhecidamente um dos marcos da Literatura Portuguesa.

 

“Pied-de-Nez”, de sua autoria, é um dos  mais  belos Sonetos  da  Língua  Portuguesa:  

 

 

 

PIED-DE-NEZ

 

 

 

Lá anda a minha Dor às cambalhotas

No salão de vermelho atapetado –

Meu cetim de ternura engordurado,

Rendas da minha ânsia todas rotas...

 

 

O Erro sempre a rir-me em destrambelho –

Falso mistério, mas que não se abrange...

De antigo armário que agoirento range,

Minha alma atual o esverdinhado espelho...

 

 

Chora em mim um palhaço às piruetas;

O meu castelo em Espanha, ei-lo vendido –

E, entretanto, foram de violetas,

 

 

Deram-me beijos sem os ter pedido...

Mas como sempre, ao fim – bandeiras pretas,

Tômbolas falsas, carrossel partido...

 







42 post(s) encontrado(s)

[1] [2] [3] [PrĂłxima]


REDE SOCIAL


CURTA nossa pĂĄgina no Facebook    

NAVEGAÇÃO

CONTATO

 

PAULO MONTEIRO

(11) 98664-8381

(48) 9629-4000

cultseraridades@gmail.com